• Heydar-Aliyev-Airport_Zaha-Hadid_American-white-oak-(14)_carousel.jpg
  • Heydar-Aliyev-Airport_Zaha-Hadid_American-white-oak-(3)_carousel.jpg
  • Heydar-Aliyev-Airport_Zaha-Hadid_American-white-oak-(12)_carousel.jpg
  • Heydar-Aliyev-Airport_Zaha-Hadid_American-white-oak-(7)_carousel.jpg
  • Heydar-Aliyev-Airport_Zaha-Hadid_American-white-oak-(11)_carousel.jpg

Heydar Aliyev International Airport

O terminal no Aeroporto Internacional Heydar Aliyev do Azerbaijão apresenta uma arquitetura interior e um design experimental do mundialmente aclamado, estúdio Autoban, sedeado em Istambul. 

Tendo em conta todas as características distintas utilizadas por este estúdio multidisciplinar nesta abordagem experimental e desafiadora em termos de estilo, os interiores contemporâneos derrubam as convenções tradicionais aeroportuárias como espaços cavernosos que proporcionam experiências impessoais. 

Comentando o projeto, Seyhan Özdemir, cofundador de Autoban disse: “A aviação sempre foi uma área com que tivemos uma ligação muito próxima.  Esta ligação começou com o nosso design da sede da Turkish Do&Co, a empresa que prepara as refeições gourmet para as companhias aéreas na Turquia. Em seguida, desenhámos os interiores da CIP Lounge da Turkish Airlines no Aeroporto Ataturk, em Istambul.  Este projeto foi nomeado entre os 10 melhores lounges de aeroportos do mundo.  E agora tivemos finalmente a oportunidade de desenhar um aeroporto completo.  Até à data este é o nosso maior projeto público comercial, e este proporciona-nos uma oportunidade para utilizarmos a nossa experiência em hospitalidade numa escala muito maior e para um público mais amplo”. 

Azerbaijan Airlines contactou Autoban pela primeira vez em Junho de 2012.  De acordo com Özdemir, as instruções iniciais de design incluíam toda a arquitetura de interiores do terminal, que abrangia todas as secções e as zonas utilizadas pelos passageiros.  Era necessário que o design refletisse a cultura, os valores e as pessoas do Azerbaijão, e como resultado as pessoas seriam o foco principal deste espaço, colocando as suas necessidades em primeiro lugar.  O cliente queria um espaço acolhedor baseado numa apresentação contemporânea de princípios de design tradicionais, aplicando esta abordagem para todo o terminal.

“Como resultado da globalização, os nossos hábitos de viagem estão se a alterar rapidamente e os aeroportos estão a tornar-se em destinos turísticos em si na indústria do turismo.  Estes são as caras de boas-vindas dos países, onde os passageiros obtêm a primeira impressão sobre a sua cultura.  Tendo este facto em mente, o novo terminal do Aeroporto Internacional Heydar Aliyev foi desenhado como um edifício moderno e progressista que se encaixa com a nova imagem da moderna cidade de Bacu,” afirma Özdemir. 

Obtendo inspiração da hospitalidade típica do Azerbaijão, o projeto de Autoban, premiado com o Red Dot Design Award, abrange a totalidade dos espaços do terminal de passageiros, e inclui “casulos” impressionantes de folheado de carvalho branco americano feitos sob medida, que criam uma sensação de boas-vindas e descoberta, assim como oportunidades de encontro ou relaxamento. Este uso de formas narrativas e não convencionais é típico da abordagem idiossincrática de Autoban.  Por mais de uma década, o estúdio desenvolveu uma reputação pela sua abordagem imaginativa e humana de design, criando espaços que estão firmemente enraizados nas narrativas culturais, sociais e geográficas, e ao mesmo tempo oferece experiências inesperadas e provocadoras para os seus habitantes e visitantes.

No caso de Heydar Aliyev, o mobiliário e o sistema de iluminação feitos sob medida não correspondem às convenções normalmente encontradas em aeroportos, optando por materiais naturais e táteis, como a madeira, a pedra e têxteis, que são suavemente e calorosamente iluminados. Os casulos, que variam em tamanho e albergam uma variedade de cafés, quiosques e outros serviços, são fruto da convergência da arquitetura e de arte, criando uma paisagem acolhedora e intrigante no enorme centro de transporte que desafia as expectativas de um ambiente aeroportuário.  Autoban também criou, desenhou e mobilou quatro elegantes salas de estar, chamadas “Salam Lounges”, designadas exclusivamente para os passageiros de classe executiva, utilizando o melhor da sua experiência de hospitalidade para estes passageiros em primeira classe.

Explicando a inspiração do design, Sefer Çağlar, cofundador de Autoban disse: “Para nós a palavra-chave era ‘hospitalidade acolhedora’.   De modo a alcançá-lo, adotámos a estrutura arquitetónica do terminal e alterámos a microarquitectura do espaço cavernoso para que a sua escala fosse mais adequada a um tamanho humano, semelhante ao que se encontraria num casulo.  Este não é um aeroporto onde o espaço é o elemento mais importante.  Pelo contrário, aqui as pessoas estão no controlo.  Viajar tornou-se numa grande parte das nossas vidas.  Assim, como designers, acreditamos que é o nosso objetivo fazer com que esta experiência seja o mais agradável possível para o público, alterando os conceitos fundamentais deste tipo de centro de transporte.” 

Existem no total 16 casulos, 11 dos quais têm uma forma maciça e foram revestidos com painéis de madeira, enquanto os outros 5 têm estruturas abertas.  Os casulos têm uma variedade de usos; existem dois cafés, um bar de champanhe e caviar, uma área de recreio para crianças, um spa e um salão de beleza, uma loja de música e uma livraria, e outros oferecem serviços como, por exemplo, armazenamento de bagagem.  Além disso, o uso dos casulos é flexível e espera-se que eles mudem ao longo do tempo à medida que o terminal do aeroporto evolui. Feitos a partir de folheado de carvalho branco americano, os casulos foram fabricados em Ancara sob a supervisão de professores de engenharia da Universidade Técnica do Oriente Médio (METU), antes de serem montados no local.  A madeira e o folheado de carvalho branco americano, acabados com uma mancha escura, também foram utilizados na produção de conjuntos de mesas e cadeiras feitas sob medida para várias salas e espaços do novo terminal. 

Autoban optou por utilizar madeira porque queria criar um ambiente acolhedor, confortável e contemporâneo capaz de criar um sentimento de pertença e uma sensação caseira para os seus usuários, e ao mesmo tempo oferecer aos passageiros uma nova experiência num aeroporto.  De acordo com Çağlar, a ideia principal consistia em afastar-se das convenções tradicionais de design associadas a um aeroporto.  No inicio, foi bastante difícil convencer todos os parceiros internacionais do projeto, mas, no final, esta acabou por ser a parte que Autoban gostou mais em toda a experiência.

Explicando o uso extensivo da madeira no aeroporto, Çağlar disse: “Existe uma crença comum que a madeira seja inadequada para tais fins, e existem também muitos preconceitos sobre os aeroportos que levam a uma certa uniformidade.  Nós queremos desafiar esta maneira de pensar.  Por que é que não se pode utilizar madeira num aeroporto?  Como é que pudemos incorporar madeira no nosso design, e afastarmo-nos da tipologia dos aeroportos convencionais que oprimem os passageiros com a sua escala, padrões e tecnologia?  Estas são as questões que devemos colocar.  Como resultado, com a ajuda de tecnologias de produção inovadoras, a madeira tornou-se num material bastante prático para o aeroporto.”

Os maiores elementos de design são os vários ‘casulos’ de madeira feitos sob medida, que os designers vêm como elementos micro-arquitetónicos.  Em termos da quantidade de folheado de carvalho branco americano utilizado neste projeto, foram necessários 6000 metros quadrados e 4000 metros quadrados para as carapaças dos casulos e as vigas de tímpano, respetivamente. O maior casulo está revestido com 2,050 painéis em 40 tamanhos diferentes.  Para fazer os casulos, Autoban modificou os materiais naturais e trabalhou com artesãos, mas também utilizou a fresagem da máquina de controlo numérico computorizado e o corte a laser.  Utilizando Rhinoceros e AutoCAD para desenhar os casulos e 3DS Max para colocar os casulos no design de interiores, Autoban imprimiu um modelo 3D dos casulos de estrutura aberta e MAPA fabricou uma maquete de tamanho real, em Ancara, para testar as suas funcionalidades.

Comentando a estrutura triangular do edifício, que também se reflete em todo o interior, Özdemir comenta: “A geometria triangular deriva do esquema de arquitetura e do design estrutural do edifício do aeroporto, e incorporámos esta característica em todo o interior para apresentar um design sólido e fluido.  Acreditamos que a arquitetura e o design interior devem ser coerentes. O uso de formas triangulares foi uma maneira de respeitar a arquitetura e ao mesmo tempo incorporá-la no nosso design”.

A arquitetura conceitual do edifício do terminal foi desenhada por Arup, enquanto que Autoban foi o responsável por toda a arquitetura interior.  Trabalhando com uma equipa interna formada por 15 pessoas, composta por arquitetos, designers de interiores, designers de mobiliário e iluminação e engenheiros, o estúdio líder demorou menos de 2 anos para completar o projeto. Durante os primeiros 8 meses, Autoban trabalhou no design, e depois continuou a monitorar o projeto a fim de se assegurar que, uma vez completo, o projeto se mantivera fiel ao design inicial e às instruções do cliente.  O empreiteiro principal do projeto foi MAPA Construction Company, enquanto o trabalho de marcenaria interior foi feito por YOPA. 

“Nos últimos 11 anos desenhámos cafés, bar-restaurantes e hotéis. Assim, o aeroporto foi uma enorme oportunidade para pôr em prática a nossa abordagem imaginativa, idiossincrática com um foco nas pessoas que caracterizam o nosso estilo de design de hospitalidade.  As reações ao novo terminal têm sido extremamente positivas e os comentários que ouvimos constantemente são que não se sente que se está num aeroporto, o que para nós é um enorme elogio.  O povo azerbaidjano orgulha-se do seu novo aeroporto devido à forma em como reflete o que o país representa,” concluiu Çağlar.

Agora, com 65,000 metros quadrados, espera-se que mais de seis milhões de passageiros por ano passem pelo aeroporto, desfrutando desta porta de entrada atenciosa, altamente funcional e memorável de Autoban para o país e a região mais ampla de Cáucaso.

Arquitetos: Autoban e Arup
Espécie de madeira: Carvalho branco americano