• Nieuwegein-Theatre-and-Art-Centre_Dongen-and-Patrick-Koschuch_tulipwood-(5)_carousel.jpg
  • Nieuwegein-Theatre-and-Art-Centre_Dongen-and-Patrick-Koschuch_tulipwood-(2)_carousel.jpg
  • Nieuwegein-Theatre-and-Art-Centre_Dongen-and-Patrick-Koschuch_tulipwood-(3)_carousel.jpg
  • Nieuwegein-Theatre-and-Art-Centre_Dongen-and-Patrick-Koschuch_tulipwood-(4)_carousel.jpg
  • Nieuwegein-Theatre-and-Art-Centre_Dongen-and-Patrick-Koschuch_tulipwood-(5)_carousel.jpg

Nieuwegein’s Theatre and Arts Centre

O último projeto de Frits van Dongen e Patrick Koschuch, ambos anteriormente arquitetos do estúdio de arquitetura ‘de Architekten Cie’, é o Kunstcluster (Conjunto de Arte), situado na cidade holandesa de Nieuwegein.  

O edifício está destinado a tornar-se num monumento emblemático do centro da cidade, que está num processo de regeneração que se prolongará durante os próximos anos.  Uma nova câmara municipal deverá ser construída, com lojas, casas e escritórios acima do nível da rua e um parque de estacionamento subterrâneo.

O Kunstcluster é composto por dois blocos; o centro de teatro e arte e um parque de estacionamento de vários andares, que inclui um estabelecimento retalhista no rés-do-chão.  O novo teatro inclui um auditório e um estúdio de teatro.  O auditório principal tem capacidade para 700 pessoas, com um pódio e um palco espaçoso propício para todos os tipos de produções.  O estúdio de teatro é consideravelmente mais pequeno com capacidade para 200 pessoas, mas tem um palco dobrável, o que permite ser utilizado para vários eventos, incluindo concertos de música pop e rock.  O futuro centro de arte estará situado por cima do teatro, um local multifuncional para aulas de música, dança e atuação.

O teto e a varanda no auditório principal foram completamente revestidos por painéis acústicos MDF com um revestimento de folheado natural de nogueira americana.  Frits van Dongen, que atualmente concilia o seu cargo de arquiteto chefe de Estado com o seu trabalho no seu próprio estúdio, comenta: “Escolhemos a nogueira para melhorar a sensação geral do casulo no interior do edifício, criando assim um ambiente acolhedor e uma sensação de comunidade, que também são reforçados pelas curvas da madeira”.  Keijsers Lundiform, o empreiteiro encarregado da marcenaria sob medida, fabricou mais de 3000 painéis MDF de nogueira. Os painéis foram folheados manualmente na fábrica da Polónia do empreiteiro e, antes de serem enviados para a Holanda, foram selecionados e montados cuidadosamente de modo a garantir uma tonalidade e um padrão de fibra consistentes.  Twan Derks, o coordenador do projeto, explica: “Utilizando um sistema de modelo 3D e uma máquina de controlo numérico computorizado, permitiu que cada painel fosse cortado com as medidas corretas e numerado.  Algumas das secções mais complexas tiveram que ser montadas no nosso armazém antes de serem instaladas no local.  Por exemplo, os painéis do teto são encurvados e este encurvamento teve que ser feito previamente para os painéis obterem exatamente a forma correta. Para obter uma alta qualidade de acústicos, os painéis não estão nivelados, mas ligeiramente escalonados em níveis diferentes, de modo a absorverem o som.  As secções de borda curvas de algumas varandas foram feitas a partir de nogueira americana maciça”.

O complexo é completado com três espetaculares saguões e um café de teatro que tem vista para a praça central da cidade, a Stadsplein.  Frits van Dongen e Patrick Koschuch escolheram o revestimento de tulipeiro americano para as paredes curvas no saguão, porque eles sentiram-se atraídos pelos variados tons naturais de tulipeiro, que apresenta um borne branco cremoso e verde-oliva pálido, contrastando com as manchas do cerne de roxo escuro, castanho e verde-oliva.  “Esta espécie de madeira era a escolha perfeita para representar a variedade de espaços do edifício e a interação entre o saguão, a entrada e o público”, comentou Koschuch. De modo a cumprir as especificações do arquiteto, Derako International, fornecedores do sistema de revestimento, fabricaram as ripas de tulipeiro maciço em três dimensões diferentes (45x70mm, 30x98mm e 15x126mm), que posteriormente foram colocadas aleatoriamente no seu sistema de suporte metálico. A variedade de tons é realçada pela colocação deliberadamente aleatória das ripas.  As ripas de tulipeiro também são colocadas em níveis ligeiramente diferentes para aumentar a absorção do som.  Sita Veer, de Derako International, explica: “Uma vez que o revestimento de tulipeiro envolve várias paredes curvas, foi necessário que a nossa fábrica de produção tivesse que moldar os apoios de metal em 7 tipos diferentes de raios, através do uso de ferramentas de precisão.  Também tivemos que levar em consideração as luzes das paredes, que estão embutidas no revestimento de madeira. Para desenhar o nosso sistema de apoio, baseamos os nossos planos no desenho DAC do edifício”. Uma vez acabado, o revestimento da parede realça com êxito as variações de cor natural do tulipeiro, graças à colocação aleatória das ripas de revestimento.   

As janelas exteriores da área do saguão estão revestidas com um acabamento de impresso no seu interior, criando assim uma ilusão de cortinas de palco. Esta característica também tem um papel funcional visto que reduz o nível de penetração da luz vinda das fachadas viradas para o Sul e o Leste, evitando assim, em dias quentes, o sobreaquecimento na grande escadaria e na área do saguão. O nível de pigmentação da impressão é suficientemente transparente, o que permite ver através do mesmo.  Uma “vitrina”, com cerca de 20 metros de altura, permite aos transeuntes, que atravessam a praça central, um relance do saguão e do público no interior.  Por sua vez, os apreciadores de teatro, têm uma vista para o centro da cidade desde os três saguões, 5, 10 e 15 metros acima do nível do solo, respetivamente.  Depois de escurecer, a fachada é iluminada com um sistema de iluminação LED económica.  

Uma vez que o processo de remodelação tenha sido concluído, quase todos os carros serão estacionados no parque de estacionamento subterrâneo, com a exceção do parque de estacionamento de vários andares ao lado do Kunstcluster. Este bloco é literalmente um pulmão verde no ambiente urbano de edifícios de pedra.  A intenção do design era criar uma estrutura de estacionamento neutra em carbono tanto em termos de construção e operação.    A fachada da garagem do lado da Stadsplein tem um espessura de quatro metros e contém escadas em forma de cascata que atravessa uma plantação de bambu de seis metros de altura.  As impressões nas balaustradas e em outras superfícies de vidro refletem graficamente a imagem do bambu.  Enquanto, o rés-do-chão alberga um estabelecimento retalhista para criar uma paisagem urbana animada.

Arquitetos: Frits van Dongen e Patrick Koschuch
Espécies: Nogueira americana e Tulipeiro americano
Fotógrafo: Derako - Allard van der Hoek- Keijsers Lundiform